Como a análise de vulnerabilidade pode ajudar minha empresa?

Como a análise de vulnerabilidade pode ajudar minha empresa?

 

Nunca foi tão importante para uma empresa cuidar da segurança de suas informações. Hackers e outros cibercriminosos têm investido cada vez mais em roubar dados e infectar sistemas internos. Isso, claro, é agravado pelo fato de que diversos serviços usam a internet como base para operar. Mesmo que uma empresa não seja da área de tecnologia, ela depende da rede mundial para executar muitos de seus processos mais essenciais.

Mesmo grandes empresas brasileiras e estrangeiras correm esse tipo de risco. Toda semana, vem a tona uma nova revelação envolvendo cibercrime que tem como alvo gigantes diversos setores, inclusive da área da tecnologia. Pior ainda, hoje em dia os pequenos e médios também são alvos de ataques, que vão de phishing a ransomware.

Em tempos passados, usar plataformas on-line era luxo de grandes companhias. Hoje, a variedade e a facilidade de uso das ferramentas baseadas na internet colocaram até o menor dos negócios na rede. Tamanho não é mais desculpa para fugir da preocupação com a segurança da informação. Um dos problemas é que a maioria dos gestores não tem plena consciência da importância da segurança da informação. Cada vez mais os hackers têm feito ataques a empresas pequenas porque, justamente, elas contam com defesas insuficientes para barrar mesmo as ações maliciosas mais simples

Por isso, é necessário prestar muita atenção à segurança e usar todas as ferramentas disponíveis para garantir a integridade do seu negócio. A análise de vulnerabilidade é uma das mais importantes. Ela ajuda a mapear todos os riscos que uma empresa está correndo e ajuda a buscar soluções para remediar esses perigos. A rigor, ela pode ser aplicada a qualquer área de uma empresa que gere risco de perdas financeiras, como furtos, roubos ou invasões físicas. Mas aqui nos limitaremos a falar do mundo da tecnologia da informação. Veja a seguir como funciona essa técnica e os principais benefícios que ela pode trazer para sua segurança da informação.

 

Como funciona a análise de vulnerabilidade?

Uma análise de vulnerabilidade lista quais riscos uma empresa está correndo. Esse é o primeiro passo. O diagnóstico varia muito porque essa avaliação leva em conta o funcionamento do negócio e todas as suas particularidades. Antes de tudo, é preciso saber como são os processos internos e as ferramentas utilizadas.

Os objetivos da análise de vulnerabilidade são identificar e corrigir problemas que afetem o uso de sistemas e sua segurança, tornar programas e ferramentas mais seguros e eficientes, criar estratégias para conter ataques e registrar todos os procedimentos e níveis de segurança para criar um histórico.

A análise vai procurar saber o que sua empresa tem de infraestrutura (servidores, dispositivos desktop ou móveis, mídias, etc.). Em seguida, será atribuída uma nota a cada um desses ativos em termos de sua importância para a segurança da informação. Quanto mais alta ela for, mais confidencial um conjunto de informações é.

Para identificar um risco, é preciso saber o que pode acontecer. Além disso, é necessário saber as origens dele, de onde ele vem ou pode vir. Em seguida, avalia-se qual é a probabilidade que ele ocorra e que consequências pode gerar. Geralmente, três perguntas básicas são feitas: (1) o que pode acontecer? (2) qual é a probabilidade disso acontecer e (3) quais são as consequências caso aconteça?.

 

Identificando os riscos

A maioria das falhas tem três origens principais, que a análise vai diagnosticar: (1) falha humana, quando funcionários mal treinados não seguem as regras de segurança internas e acabam baixando anexos suspeitos e clicando em links perigosos, por exemplo; (2) falhas de programação, ou seja, brechas nos aplicativos e softwares que podem ser aproveitadas por hackers; (3) falha de configuração, uma falta de atenção às opções corretas para garantir o funcionamento dos sistemas de maneira segura.

Depois desse primeiro diagnóstico, é feita a análise de vulnerabilidade propriamente dita. Todas as informações obtidas quando se estava fazendo a mensuração dos riscos servirão de insumo para esse próximo passo. Existem diversos método para fazer a análise. Um dos mais conhecidos se chama STRIDE.

Basicamente, ele tem seis categorias de ameaças: (1) roubo de identidade, (2) adulteração de dados (3) repúdio de transação, (4) divulgação não-autorizada de informação, (5) ataque de negação de serviço, (6) elevação de privilégio. Esse será o guia para avaliar o quanto a empresa analisada está exposta. Em cada uma dessas qualificações, o negócio recebe uma nota, criando uma espécie de "boletim" que mostra o estado da segurança de uma determinada companhia.

O último passo desse processo é criar estratégias e medidas para lidar com os riscos identificados. É claro que sempre haverá uma grande quantidade de problemas que serão listados - e é impossível resolver todos de uma vez só. Mas as notas dadas para cada vulnerabilidade ajudam os gestores a entenderem quais devem ser as prioridades: os maiores riscos devem ser minimizados primeiro, claro. Outra maneira de definir prioridades é avaliando se em áreas essenciais para o funcionamento do negócio existem brechas perigosas. Caso isso seja verdade, tais vulnerabilidades devem ser colocadas no topo da lista de problemas a resolver.

Depois, a empresa precisa tratar esses riscos. Os procedimentos podem ser simples, como atualizações e implementação de softwares básicos, ou mais complexos, como trocar a plataforma de certas operações, criar ou recriar bancos de dados ou até reformar o código de algum programa ou software.

 

Vantagens para sua empresa

Em primeiro lugar, quando sua empresa faz uma análise de vulnerabilidade, ela, claro, torna claro para os gestores onde estão as principais fragilidades de segurança, o que permite remediá-las. Com esse diagnóstico preciso em mãos, é possível criar um plano de ação para implementar as melhorias e ter uma consciência plena de como funcionam os processos internos.

Além disso, esses dados servem para desencadear um processo de melhoria contínua porque geram conhecimentos detalhados a respeito de toda a infraestrutura e das melhorias necessárias. Muitas vezes, as vulnerabilidades acontecem porque não há um monitoramento contínuo dos softwares utilizados, dos dispositivos sendo usados e das atualizações e patches necessários para garantir a segurança. A análise ajuda a diagnosticar essas lacunas a facilita o acompanhamento.

Siga-nos

       

 

Contato:

 SIA/SUL Trecho 03 Lote 990,  Cobertura - Edifício Itaú

 CEP: 71.200-030 - BRASÍLIA/DF

 +55 (61) 3363-8636

 contato@fasthelp.com.br

Enviar mensagem

Últimas Notícias