Solicitar Contato

Iremos retornar seu contato em 24h!

11 + 5 =

Gerenciamento de vulnerabilidades: o processo que a sua empresa precisa adotar em 2022

[wtr-time]

Escrito por admin

Em 20/01/2022
Em 2021, o mundo passou por duas epidemias: a de Covid-19 e a de ataques hackers. Mas enquanto as vacinas representaram um grande avanço para conter a emergência de saúde, não existe uma única solução para conter a segunda. A melhor maneira de proteger a sua empresa é através de processos e o gerenciamento de vu
Em 2021, o mundo passou por duas epidemias: a de Covid-19 e a de ataques hackers. Mas enquanto as vacinas representaram um grande avanço para conter a emergência de saúde, não existe uma única solução para conter a segunda. A melhor maneira de proteger a sua empresa é através de processos e o gerenciamento de vulnerabilidades é um dos mais importantes. 

Gerenciamento de vulnerabilidades é o nome técnico para um processo complexo, que consiste em identificar, categorizar, priorizar e solucionar vulnerabilidades — ou seja, erros de programação, brechas de segurança, falhas de configuração que podem permitir a invasão de hackers. Sem a mitigação adequada por meio de patches e configurações de segurança, estas falhas podem comprometer sistemas operacionais, navegadores de internet, aplicações e até mesmo plataformas em nuvem.

Para concluir este processo, é necessário dividi-lo em etapas:
  • Identificação e detecção
A empresa deve mapear todos os ativos de seu ambiente de TI e, depois, conduzir uma análise com ferramentas de escaneamento em todos os respectivos sistemas operacionais e configurações. Com isso, saberá quais as fraquezas dos sistemas e se estão sob risco. Nessa etapa, é fundamental elaborar relatórios com todas as informações, que servirão de base para as mitigações. 
  • Categorização
Muitas vezes, não é possível atacar todos os problemas de uma vez, seja por limites de orçamento, recursos humanos, ou escopo do projeto. É por isso que as equipes precisam separar os ativos de acordo com as prioridades estabelecidas pela empresa. 
  • Remediação
A partir do momento em que as prioridades foram elencadas, é hora de atuar. A solução pode vir por meio de patches, reconfiguração de segurança, atualizações, redefinição de privilégios de acesso, entre outros. Caso não haja uma solução definitiva para um problema, é preciso mitigá-lo ou, em casos específicos, aceitar conviver com o risco. O último caso costuma ocorrer quando não há orçamento ou recursos disponíveis para consertar a vulnerabilidade, mas deixa a empresa exposta.
  • Verificação
A equipe de TI precisa conduzir novas avaliações para comprovar que as soluções adotadas foram eficazes. Também é importante adotar métricas nessa etapa, para garantir que a estrutura de TI será constantemente verificada. Vale lembrar que o gerenciamento de vulnerabilidades é um processo proativo, ou seja, deve ser realizado com frequência para garantir a proteção estará sempre em dia. 
  • Comunicação
Os relatórios de vulnerabilidades devem ser enviados periodicamente aos tomadores de decisão da empresa, para que estejam cientes sobre os riscos que cercam a companhia e possam realocar recursos e definir prioridades estratégicas.
O gerenciamento de vulnerabilidades é um processo complexo. Em um período em que empresas detém milhares de equipamentos de hardware e uma infraestrutura de TI dividida entre equipamentos físicos e nuvem, é inviável conduzir a análise de vulnerabilidades manualmente. Portanto, o uso de ferramentas é essencial para que a gestão ocorra da melhor maneira possível. 
Entre os provedores de soluções, a Tenable está entre as que oferece soluções mais robustas e abrangentes para o gerenciamento de vulnerabilidades, com ferramentas específicas para realizar o processo de gestão em VM, containers, aplicações web, Active Directory e também opções de gerenciamento em nuvem ou no local. 
Se a sua empresa tem interesse em soluções completas para a proteção do ambiente de TI, entre em contato com a FastHelp e saiba como implantar e integrar essas ferramentas à sua estrutura. 

Você também pode gostar de…

O que a TI pode aprender com a guerra na Ucrânia
O que a TI pode aprender com a guerra na Ucrânia

A guerra na Ucrânia é, sem sombra de dúvida, uma tragédia. Mas, além da crise humanitária criada pela destruição de cidades e morte de civis, o conflito também está ocorrendo em uma dimensão invisível, mas com potencial não menos destruidor: o ciberespaço.  Pela...

Conheça o SIEM, ferramenta que potencializa o SOC
Conheça o SIEM, ferramenta que potencializa o SOC

          Entre os profissionais de TI, existe o consenso de que quanto maior a visibilidade em um ambiente de TI, mais fácil é protegê-lo. Na prática, com estruturas espalhadas em servidores internos, plataformas de nuvem e os funcionários acessando a rede interna...

0 Comments

Submit a Comment

O seu endereço de email não será publicado.

Entre em contato conosco

You have Successfully Subscribed!

Política de Privacidade

Este site usa cookies para fornecer seus serviços e melhorar sua experiência no site. Ao utilizar nosso portal, você concorda com o uso de cookies e nossa política de privacidade.

You have Successfully Subscribed!