Solicitar Contato

Iremos retornar seu contato em 24h!

15 + 13 =

A solução de cibersegurança mais conhecida pelos usuários

Guia completo do Antivírus

com um presente especial da Kespersky

Introdução

Antivírus são as soluções de cibersegurança mais conhecidas pelos usuários. No entanto, isso não significa que sejam usadas da maneira certa para garantir a máxima proteção, ou que seja fácil escolher um antivírus adequado para as suas necessidades. Além disso, esses tipos de software exigem manutenção e atualização constantes, para que estejam sempre preparados para combater as mais recentes ameaças.Para as empresas, escolher um antivírus é ainda mais complexo: o investimento para proteger todos os dispositivos é relevante e a solução deve se adequar a toda infraestrutura de cibersegurança da empresa, o que inclui outras ferramentas, como firewall e anti-spam.Mas esse processo não precisa ser um fardo para sua equipe de TI. Com informações precisas e conselhos dos melhores especialistas em cibersegurança, é possível escolher e operar o antivírus que melhor se adapta às suas necessidades.Neste guia, a FastHelp reuniu alguns dos melhores conteúdos já publicados em nosso blog e conselhos inéditos de nossos especialistas em um só lugar. Vamos começar do princípio, para que você possa desenvolver uma visão abrangente sobre todos os aspectos dessa ferramenta e como tirar maior proveito dos antivírus para a sua cibersegurança.

Pro Tip

Quando um antivírus não consegue detectar ameaças?

Capítulo 1: Origem dos antivírus, o que eles fazem e por que é necessário instalar um em seu computador

De onde surgiu?

Nos primórdios da internet, vírus eram apenas usados para pregar peças. No entanto, logo ficou claro para criminosos que explorar brechas de sistemas operacionais poderia ser algo muito vantajoso.Foi então que, em 1989, um grupo de especialistas em tecnologia, chamado Virus-L, se formou para discutir como combater, remover e evitar as infecções. John McAfee e Eugene Kaspersky eram integrantes dessa turma. Nesse mesmo ano, McAfee começou a vender softwares que protegiam máquinas e sistemas de infecções: o antivírus.

Como funciona?

Quando um software ou arquivo é aberto, o antivírus analisa as informações disponíveis e faz uma comparação com uma base de dados onde estão todos os vírus, malwares e worms que conhecemos.Se algum arquivo malicioso é detectado, ele é enviado à quarentena para que o usuário possa avaliar se é possível recuperá-lo ou não. O antivírus, então, remove esses documentos para um local separado do disco rígido onde ele será excluído, evitando a contaminação dos outros arquivos.E ele pode fazer mais do que apenas vasculhar os arquivos que estão no seu computador, monitorando também sua atividade na internet para que você não entre em sites suspeitos, proteger sua conexão para que você não navegue em ambientes inseguros (como pontos de wi-fi públicos e outros), escanear seu e-mail em busca de arquivos maliciosos, e ocultar o que está sendo digitado em seu teclado (como senhas e outros dados confidenciais).
~

Por que antivírus são indispensáveis?

Antivírus são a última linha de defesa da sua estratégia de cibersegurança. Eles identificam se algum vírus conseguiu passar pela rede e infectar a máquina. É trabalho deles isolar estes arquivos maliciosos e evitar que comprometam outros arquivos ou mesmo uma rede corporativa, colocando toda a empresa em risco.

Capítulo 2: ameaças que os antivírus detectam mais facilmente

Para entender como os antivírus funcionam, é preciso compreender o comportamento das ameaças que eles detêm e como elas podem ser contraídas pelo seu ambiente. São elas:
  • Vírus: assim como um vírus biológico, um vírus de computador é um programa malicioso que infecta o sistema e busca se replicar, corrompendo outros arquivos ou até mesmo tentando conectar outros computadores. Em geral, precisam ser instalados no computador (por exemplo, por usuários que baixam arquivos enviados por e-mails desconhecidos).
  • Worms: a principal diferença é que worms não precisam de usuários para se replicar e permanecem ativos constantemente – ao contrário de vírus, que podem ficar dormentes e agir apenas quando ativados. A transmissão ocorre por arquivos, mas principalmente por redes.
  • Cavalos de tróia (trojans): são programas que se passam por legítimos, mas que escondem arquivos maliciosos – um autêntico presente de grego. Assim como vírus, eles precisam ser instalados.
As bibliotecas dos antivírus são atualizadas diariamente com listas de novos agentes maliciosos e tratamentos para infecções – as chamadas vacinas. Daí a importância das atualizações para que se mantenham eficazes.

Pro Tip

Quando um antivírus não consegue detectar ameaças?

  • Vulnerabilidades zero day: antivírus dependem muito da biblioteca dos fabricantes, o que significa que ameaças inéditas ou brechas que ainda não foram solucionadas dificilmente serão capturadas na varredura.
  • Internet das Coisas: muitos dos dispositivos conectados (eletrodomésticos, por exemplo) não têm um sistema operacional robusto o bastante para conseguir processar um antivírus, então não é possível instalar esses programas de segurança. Mas já há relatos de vírus que tornam estes dispositivos “zumbis” para minerar criptomoedas e participar de ataques DDoS, o que torna evidente a necessidade de protegê-los. Para isso, a melhor solução é investir em soluções de proteção da rede, como firewalls.

Capítulo 3: diferenças entre antivírus e outras soluções de cibersegurança

Por mais completo que seja, um antivírus sozinho não é capaz de bloquear todos os ataques e ameaças que circulam pelas redes. Na verdade, a ideia é que ele seja, por isso, uma boa estratégia de cibersegurança consiste em montar camadas de proteção com ferramentas complementares, como anti-spams e firewalls.Alguns antivírus têm anti-spams embutidos, mas é importante conhecer as funções de cada ferramenta para entender se é necessário adquirir proteção complementar ou acrescentar redundância. (Lembre-se do antigo princípio de engenharia “dois são um, um é nenhum”).

Firewall

É o “porteiro” da rede da sua empresa, determinando que “portas” podem ficar abertas e que arquivos podem entrar na rede, com base em regras. Normalmente é instalado como software, mas também existem soluções em hardware, instaladas diretamente nos equipamentos de rede. Grandes empresas unem ambas as soluções (software e hardware) em produtos chamados “firewalls corporativos”.

Saiba Mais

Anti-spyware

Fazem o mesmo que os antivírus, mas focados em adware e spyware (aqueles anúncios em formato pop up que podem conter arquivos maliciosos que capturam os dados do usuário e ainda podem usar seu email para spams). Essa ferramenta é oferecida como um serviço por muitos antivírus.

NGFW

O Next Generation Firewall é a evolução do firewall, com funcionalidades como o controle de aplicações, Sistema de Prevenção de Intrusão (IPS) e do Sistema de Detecção de Intrusão (IDS). O NGFW consegue entender os detalhes sobre o tráfego de aplicações que passam por ele e bloquear de forma mais assertiva, reconhecendo usuários e retendo até mesmo os temidos malwares.

Anti-spam

Estes sistemas usam filtros Bayesianos, em que algoritmos baseados em probabilidades vasculham emails em busca de termos frequentemente usados em spam e, com base neste aprendizado, passam a bloquear futuras mensagens. Outros filtros também verificam DNS para bloquear mensagens de fontes não confiáveis. São especialmente indicados para empresas que têm seus próprios servidores de email.

Capítulo 4: por que usar antivírus nos celulares e tablets

Com cada vez mais equipes trabalhando remotamente, uma solução de antivírus precisa incluir os tablets e smartphones que acessarão a rede corporativa. Isso porque já existem diversos tipos de vírus que se especializaram em atacar estes dispositivos – justamente pela negligência em acreditar que eles não serão alvo de ameaças, dado que os aplicativos em geral, são baixados nas lojas oficiais dos sistemas operacionais Android e iOS.No entanto, diversos casos de falha de segurança das duas lojas já causaram infecções em milhões de aparelhos, o que ressalta a importância de uma política de confiança zero com o uso de um antivírus. Vale lembrar que, como a maioria das pessoas usa o mesmo smartphone para trabalho e lazer, é possível que ataques visando pessoas físicas – como ataques a aplicativos de banco – também possam afetar as redes corporativas.Outra vantagem de ter antivírus para celular é que eles também oferecem outras proteções, como limpeza de dados e sigilo de arquivos.

Conheça a Fortinet

Fundada em 2000, em SunnyVale, Califórnia, a Fortinet é uma empresa especializada em cibersegurança para empresas e governos e hoje conta com 450 mil clientes em todo o mundo. A Fortinet trabalha com o conceito de tecido de segurança, com diversas soluções para proteger as empresas e em especial suas redes. Seu principal produto é o NGFW corporativo FortiGate.

Conheça a FastHelp

Fundada em 2003, a FastHelp é referência em segurança da informação para empresas de todo o Brasil e também para o setor público. Essa história de sucesso começou no Distrito Federal, mas logo a empresa passou a atuar em vários estados. Hoje são mais de 200 clientes em todo o país.

Vamos conversar sobre Segurança da Informação?

Como escolher o melhor serviço gerenciado para um SOC?

É preciso levar em conta a estrutura oferecida pelo fornecedor, como a quantidade de profissionais qualificados destacados para cuidar da sua segurança, com quais parceiros a empresa trabalha e quais as soluções oferecidas. Para fazer uma escolha fundamentada, também procure por diferenciais como certificações, capacidade de adequação à regulamentação e experiência com o setor em que você atua.

Quais as principais vantagens de um serviço gerenciado para um SOC?

A visibilidade sobre o ambiente de TI é a principal vantagem, mas isso ocorre devido a diversos fatores – desde o fato de haver uma equipe inteira dedicada a essa tarefa até o uso de ferramentas para centralizar o monitoramento, garantindo ações coordenadas. 

Outros pontos importantes são a redução de burocracia, dado que o fornecedor pode reunir serviços e licenças de soluções em apenas um contrato. Tudo isso leva à uma redução da sobrecarga de trabalho sobre as equipes de TI, fazendo com que se tornem mais produtivas e possam focar em inovação. 

Quais os principais ataques que podem ser evitados com um SOC?

Ataques que causem disrupção nos serviços, como ransomware, ou que visem comprometer os sistemas em busca de informações confidenciais estão entre as principais ameaças evitadas pelo monitoramento contínuo proporcionado pelo SOC.

É possível montar um SOC com a equipe trabalhando remotamente?

Não somente é possível, mas também altamente recomendável que a sua empresa crie um SOC enquanto os funcionários trabalham remotamente. Isso porque as tecnologias usadas em um SOC conseguem monitorar todos os dispositivos que acessam as redes e sistemas da empresa, evitando que o uso de dispositivos pessoais possa comprometer a segurança do ambiente.

Quais soluções estarão disponíveis no seu SOC gerenciado pela FastHelp?

A FastHelp trabalha com os fornecedores mais reconhecidos do mercado de cibersegurança. Clientes de serviços gerenciados para SOC terão acesso aos produtos disponíveis em seus planos e também à experiência de nossas equipes em configurá-las da forma correta, garantindo tranquilidade para o seu time e proteção total para seu ambiente de TI.

Entre em contato conosco

You have Successfully Subscribed!

Política de Privacidade

Este site usa cookies para fornecer seus serviços e melhorar sua experiência no site. Ao utilizar nosso portal, você concorda com o uso de cookies e nossa política de privacidade.

You have Successfully Subscribed!